REDES HORIZONTAIS ASSOCIATIVAS E CONSÓRCIOS: UM ESTUDO COMPARATIVO NA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE COMPONENTES PARA COURO, CALÇADOS E ARTEFATOS (ASSINTECAL)

Raquel Engelman, Thais Nagel, Douglas Wegner

Resumo


Este trabalho tem como objetivo compreender as redes de cooperação no âmbito da Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos (Assintecal), como base nos seguintes objetivos específi cos: a) identifi car os modelos de redes de cooperação; b) comparar as características, benefícios proporcionados aos participantes e difi uldades de funcionamento das redes de cooperação. Para alcançar tais objetivos, foi realizado um estudo de caso com abordagem qualitativa em três redes de cooperação criadas no âmbito da Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos (Assintecal), situada no Rio Grande do Sul. Foram selecionadas as redes que, de acordo com os gestores, funcionam mais efetivamente. A partir da análise da cooperação na Assintecal foi possível identifi car dois tipos de redes: a Central de Compras, que pode ser considerada rede associativa e as redes Compex e Original by Brasil, consideradas consórcios. O estudo demonstrou similaridades e diferenças em relação aos benefícios para os dois tipos de redes. Pode-se afirmar que, em ambos os tipos, os respondentes consideram ter ganhos competitivos e redução de custos. Na rede associativa, os maiores benefícios são ganhos de escala e redução de custos, já nos consórcios todos os ganhos competitivos são observados, mostrando o caráter mais estratégico desta modalidade de rede. Esta distinção deve-se principalmente aos objetivos das redes, à gestão das redes e ao tipo de rede, já que na Central de Compras há maior concorrência e menor compartilhamento, e nos consórcios a cooperação é maior, não sendo necessário tanto protecionismo por parte das empresas.

Palavras-chave: Cooperação. Rede Associativa. Consórcio

 


Texto completo:

PDF